sexta-feira, 30 de setembro de 2011

A poesia das noites



       Agora são exatamente 16:04’39”. Estou no meu quarto ouvindo música. Tá uma chuvarada danada aqui.

Estou em meu quarto, sim, mas o relógio marca horário diverso. É bem mais tarde este meu momento de escrita. Não ouço música. O eco da solidão é o único fenômeno sonoro da madrugada neste ambiente. As frases iniciais não são minhas. Capturo-as de minha leitura, para usá-las como mote. Transcrevo-as apenas. Apenas?! Há tanto envolvido nessa transcrição! Mãos e olhos nervosos, coração agitado e... paredes vazias, cama vazia.

Também não chove aqui. Pelo contrário. A fumaça das queimadas tem me feito passar terríveis apuros. A dor da mata se consumindo em chamas, a dor da ignorância e da falta de ações preventivas, a dor da impotência, e a dor física da secura instalada no nariz, na boca, na garganta. Há ainda as cinzas que, trazidas pelo vento, cobrem o chão da área, dando-me desgastante trabalho.

Ouvi rumores de uma greve dos correios. O fato não me abala. Todas as contas estão em débito automático. Qualquer outra correspondência não haveria mesmo de chegar. Há muito os correios já decidiram fazer-me greve.

Assisti certa vez, não sei se em filme, se em novela, a uma cena em que a personagem ateava fogo a correspondências antigas. Ato inválido para minha memória! A deleção de objetos concretos em nada pode modificá-la. Ademais, minha sensibilidade física à fumaça é algo que me acompanha desde tempos remotos. Impossível qualquer rebelião feita a fagulhas.

Igualada ao relógio, busco números. Aqueles que me obrigam a levantar, a sair de casa, a voltar para casa. O ritual de chegada é sempre o mesmo. Antes de abrir a porta, confiro a caixa de correios. Um minuto – de devaneio, fantasia, esperança – imediatamente suplantado por outro minuto – algoz. Diz a sabedoria que o tempo não passa, a vida é que se esvai.

As cartas que leio hoje são as que já li outrora, amareladas e rotas, mas ainda com os verbos no tempo presente. Mudam-se as circunstâncias interpretativas. As palavras escritas, estas jamais se alteram. Enlevada pelo dom de Mnemosine, faço delas a música que me falta. É a poesia das noites em que não consigo compor.
   
    

7 comentários:

  1. Tempo de espera é doloroso. Talvez por isto relutamos sempre em esquecer o passado pois só nele encontramos conforto. Afinal, li a pouco, lá reside nosso futuro.

    ResponderExcluir
  2. Ao ler as suas brilhantes palavaras fiz a seguinte associação: "Não se pode pensar no Yogi Bear vivendo em Jello Stone Park sem a presença do Booboo bear"

    ResponderExcluir
  3. oi, gostei do seu blog
    adiciona seu livro no skoob, vou tentar ler
    abraços

    ResponderExcluir
  4. «dizem que só controlamos aquilo que fazemos dentro do tempo, e que, o tempo, esse, não é escravo de alguma coisa. abrir o correio, e ver uma carta é um raro acontecimento. folhas podem ter sentidos, as mãos agarrarem e sentir-se a matéria... sente-se que existimos para além do ar! o passado, esse sempre visitará tarde ou cedo, consequência quando as ilusões ou saudades um dia tomam a memória, e ela vai pedir emprestado àquele tempo, o remédio ou veneno! »

    gostei de passar por aqui.
    um abrço

    ResponderExcluir
  5. O tempo existe para não enlouquecermos... mas ele está totalmente associado a nós. O tempo que nos corre fora é totalmente diferente daquele que nos vai dentro...
    Dependendo do estado emocional ele vai rápido ou parece tornar-se eternidade.
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. "Compositor de destinos
    tambor de todos os ritmos"

    Caetano bem o definiu e você parece tê-lo exemplificado de forma muito contundente.

    O Tempo!

    Muito bom seu escrito, parabéns!Sigo-te doravante!

    ResponderExcluir
  7. Passando para desejar que o seu Natal seja de Paz, Bondade, Solidariedade, Amizade e Amor. Um Feliz Natal !!!

    ResponderExcluir